Lançamento Águas do Cerrado

Na última sexta-feira, dia 29/04, o Ipoema – Instituto de Permacultura, apresentou o seu mais novo projeto: Águas do Cerrado – O Futuro em Nossas Mãos. O evento aconteceu na Escola da Natureza e contou com a participação de diversos parceiros e atores socioambientais do terceiro setor, do legislativo distrital e de representantes do poder executivo.

Facebook do projeto Águas do Cerrado – O Futuro em Nossas Mãos

Site do projeto Águas do Cerrado – O Futuro em Nossas Mãos

A Petrobras patrocina a iniciativa, que terá 2 anos de duração. O engenheiro florestal Claudio Jacintho, diretor geral do projeto, avalia que ação “vai recuperar áreas degradadas por meio da promoção do uso racional dos recursos hídricos, da implementação de tecnologias sociais e da capacitação de estudantes e pequenos proprietários da região”.

Segundo a Diretora da Escola da Natureza,  Leda Bhadra, “quando um projeto é tecido a muitas mãos fica mais completo e mais profundo. A parceria da Escola da Natureza com o projeto Águas do Cerrado reforça o potencial que a escola já tem para um trabalho estendido a sociedade.” Já o articulador da REATA (Rede Internacional de Estudos e Ações Transdisciplinares da Água), Sérgio Ribeiro, acredita que  o  momento para a execução do projeto não poderia ser mais oportuno: “Brasília está passando por um momento de inchaço, muitas construções desordenadas e pouco cuidado do ponto de vista ambiental. É muito importante que tenhamos um projeto que faça este contraponto, já que o Águas do Cerrado trabalha com educação e conservação das águas da cidade”.  Para ele é também um momento histórico, pois um projeto com esta força foi proposto e será executado pelo Ipoema.

Entre as metas e impactos do projeto, destacam-se os seguintes números:

  • 90 hectares de áreas degradadas sendo recuperadas;
  • 170 mil mudas de árvores nativas do cerrado plantadas;
  • 6 escolas equipadas com a tecnologia social Água Sustentável, viveiro para produção de 4.000 mudas, jardim agroflorestal e minhocário;
  • 8.000 alunos sensibilizados;
  • 528 horas de capacitações;
  • 540 vagas em cursos;
  • 30 professores capacitados;
  • 16 comunitários da bacia do São Bartolomeu capacitados e certificados nos cursos do Ipoema;
  • 30 jovens formados como empreendedores;
  • construção do Centro de Referência de Águas do Cerrado, com sala de aula, refeitório e parquinho ecológico; e
  • elaboração de anteprojeto de lei para preservação dos recursos hídricos da região.

Com o projeto, o Ipoema espera contribuir para reverter o processo de degradação dos córregos que alimentam a bacia do Rio São Bartolomeu e do Jardim Botânico, duas das principais fontes de água para a população do Distrito Federal.