Biodiversidade e Transição Agroecológica de Agricultores Familiares

A experiência desenvolvida no bioma cerrado e iniciada em abril de 2008 se tornou possível graças ao apoio do MCT/CNPq/MDA/SAF/MDS/SESAN com a aprovação do projeto “Biodiversidade e Transição Agroecológica de Agricultores Familiares” tendo a Emater-DF, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Embrapa Hortaliças, Universidade de Brasília e o Instituto para o Desenvolvimento Ambiental como instituições participantes.

A partir de palestras e reuniões motivacionais, foram selecionados 25 agricultores de comunidades rurais próximas à Brasília no Distrito Federal para um curso de capacitação inicial. Entre os 25, seis foram escolhidos para conduzirem as unidades de experimentação (UE) sobre redesenho de agroecossistemas, as quais foram implantadas a partir de dezembro de 2008 e seguem um cronograma planejado pelos agricultores e equipe de técnicos.

O projeto aborda a sustentabilidade desde os aspectos sociais, contextualizando as propostas de acordo com as vocações, conceitos e condições das famílias, passando pela mudança tecnológica, incentivo a organização dos agricultores e o acesso a novos mercados. É uma experiência de extensão rural e investigação científica participativa, em que os resultados alcançados servirão como referência segura e realista sobre as vantagens e dificuldades de um profundo processo de transição agroecológica para agricultores inseridos em outra lógica de produção. A escolha das seis propriedades foi feita pelos próprios agricultores participantes da capacitação de acordo com critérios discutidos em grupo. Para o cumprimento dos objetivos e metas, as metodologias adotadas tiveram como premissa básica o diálogo. O agricultor foi o tomador das decisões a partir de sua realidade e possibilidades. A capacitação foi realizada em módulos presenciais alternados com vivências individuais, estendendo-se por 10 meses com aulas expositivas, visitas técnicas, mutirões de implantação das agroflorestas e metodologias participativas para redesenho dos agroecossistemas.

+  Clique aqui para ver artigo publicado.