Rio São Bartolomeu Vivo

O projeto “Rio São Bartolomeu Vivo” da Fundação Banco do Brasil visa produzir um milhão de mudas de árvores nativas do Cerrado e recuperar 500 ha de áreas degradadas da Bacia do São Bartolomeu, que compreende as regiões de Planaltina (onde nascem dois tributários do Rio São Bartolomeu – Córrego do Lobo e Saco dos Pilões), Sobradinho, Paranoá, Santa Maria, São Sebastião, e, no estado de Goiás, os municípios de Cidade Ocidental, Cristalina e Luziânia.

Para tanto, foram construídos Centros de Recuperação Ambiental (grandes viveiros) e estão sendo realizadas ações de plantio, mobilização, educação ambiental e capacitações em 19 comunidades priorizadas ao longo da Bacia.

 

O IPOEMA foi responsável pela construção de dois grandes viveiros para o Projeto, um deles dentro do Centro de Permacultura da Asa Branca, além de estar realizando o plantio das mudas.

O projeto “Rio São Bartolomeu Vivo”, também iniciado em 2010, visa à recuperação de 500 hectares de áreas degradadas na região da bacia do rio São Bartolomeu, sendo que o Ipoema está atuando na produção de 75.000 mudas e promovendo ações de Educação Ambiental durante os plantios. Financiado pela Fundação Banco do Brasil, o projeto é realizado pela Fundação Pró-Natureza – FUNATURA e parceiros.